web analytics
Em destaqueEventos Científicos

Destaques do LATS 2015

By 27 de março de 2015 julho 10th, 2020 No Comments

Entre os debates do LATS 2015, realizado recentemente em Salvador, duas questões sobre novos para o tratamento do hipotireoidismo. Participaram as professoras Maria Izabel Chiamoleira, Gisah Amaral Carvalho e Patrícia de Fátima Teixeira.

Nele foram abordados três tópicos. O primeiro discorreu sobre o que fazer quando o paciente permanece com níveis elevados de TSH a despeito do uso de altas doses de levotiroxina.

A Dra. Patrícia de Fátima Teixeira, membro do conselho editorial do site da tireoide, defendeu a investigação de doenças associadas e que cursam com má absorção intestinal ou interferência na produção, transporte ou ação dos hormônios tireoidianos.

Foram listadas algumas medicações, de uso comum, e que podem causar tal impacto, como, por exemplo, o uso de inibidores de bomba de prótons para o tratamento de úlceras ou gastrite, bem como o uso de antidepressivos.

Dentre as condições que podem contribuir para a má absorção, foram citadas a doença celíaca, a gastrite atrófica, a infecção pelo H. Pylori e algumas cirurgias bariátricas, entre outras.

Em contrapartida, a Dra. Gisah Amaral Carvalho, presidente do Departamento de Tireoide, palestrou sobre o uso de formas alternativas de tratamento com levotiroxina em casos de má adesão terapêutica. Destacou que é muito comum a má adesão e que o médico deve estar atento ao fato. Foram discutidas a ingestão concomitante com o café da manhã, antes de dormir e o uso de doses semanais, ao invés de doses diárias de levotiroxina, em casos selecionados.

Outro tópico abordado foi a redução ou não da dosagem de levotiroxina no paciente idoso, com o objetivo de manter os níveis de TSH de tais pacientes um pouco mais elevados ou no limite superior da normalidade.  Pontos favoráveis a tal conduta foram apresentados e defendidos, porém uma análise crítica da literatura sobre as evidências para tal procedimento também foi apresentada.  A plateia se mostrou muito interessada sobre os assuntos e levantaram várias situações práticas do “dia a dia” que mereceram discussão.

Por último, também se debateu sobre o uso associado de T3 à levotiroxina; sendo destacado o posicionamento de todas as sociedades, inclusive a SBEM, contra tal conduta na prática clínica nos dias atuais. Discutiu-se que pacientes com polimorfismos genéticos de desiodades do tipo 2 poderiam ter benefícios de tal conduta. Porém, foi lembrado que não existem formas farmacêuticas seguras e fisiológicas para administração do T3 e que, no momento, tal conduta deve se restringir a centros de pesquisa.

No segundo, debate participaram o Dr. Mário Vaisman e as doutoras Gláucia Mazetto e Léa Maciel.  A aplicação do screening ou rastreio universal de hipotireoidismo na gravidez foi defendido, no debate, por se tratar da aplicação de exames simples e de baixo custo frente aos possíveis custos inerentes das complicações do hipotireoidismo não tratado durante a gestação. 

A ausência de estudos randomizados foi o único limitante para tal recomendação ser aplicada por muitas sociedades, porém um ponderamento sobre todos os possíveis benefícios de tal procedimento deve ser valorizado.