Notícias

Pesquisa: Radioiodoterapia Para o Carcinoma Diferenciado de Tireoide

By 15 de junho de 2021 julho 9th, 2021 No Comments

Um grupo de endocrinologistas brasileiros elaborou um questionário para coletar informações de pesquisa para indicação de radioiodoterapia no tratamento do Carcinoma Diferenciado de Tireoide no Brasil. A iniciativa tem o apoio da SBEM e do Departamento de Tireoide, além da SBMN (Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear) e da SBCCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço).

O questionário foi proposto pela Dra. Rosália Padovani, em conjunto com outros médicos endocrinologistas como o Dr. Helton Ramos (diretor do Departamento), Dra. Ana Luiza Maia, Dra. Fernanda Vaisman, Dra. Ana Amélia Hoff, Dra. Marília M. S. Marone e Dr. José Miguel Dora, além do presidente da SBMN, Dr. George Coura Filho.

A pesquisa busca entender como é feita e como se encontra a indicação de radioiodoterapia para o tratamento do Carcinoma Diferenciado de Tireoide no Brasil, bem como os fatores que são levados em consideração nesta tomada de decisão. A iniciativa tem a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa.

A Pesquisa

A Dra. Rosália explicou que a incidência de nódulos de tireoide e carcinoma diferenciado de tireoide vem aumentando significativamente nas últimas décadas. A médica destacou que, ao mesmo tempo, o tratamento e a forma de seguimento deste tipo de tumor de tireoide vêm se tornando cada vez mais individualizados.

“Logo após o lançamento das Diretrizes de Manejo da American Thyroid Association (ATA 2015) para pacientes adultos com nódulos de tireoide e câncer diferenciado de tireoide, tornou-se evidente que existem opiniões discrepantes envolvendo algumas das recomendações dos principais guidelines”, disse. 

A endocrinologista ressaltou que, nesse contexto, especificamente em relação à indicação de radioiodoterapia, embora todos os autores estejam estudando a mesma doença e a mesma modalidade terapêutica, a variabilidade dos achados dos estudos disponíveis na literatura indica que existe realmente uma grande e importante heterogeneidade na seleção de pacientes. “A indicação deste tratamento sofre influências de fatores locais, como a qualidade das avaliações pré-operatórias e pós-operatórias, disponibilidade e qualidade das medições de marcadores tumorais, experiência do cirurgião operacional e preocupações clínicas da equipe local. Por isso, surgiu nosso interesse em avaliar como se dá esta indicação terapêutica no Brasil”.

Como participar

Para participar da pesquisa basta acessar o link do questionário. A participação é voluntária e anônima.

A Dra. Rosália esclareceu que não há um prazo final ainda estabelecido para o envio das respostas do questionário. Ela informou que é necessário um número considerável de respostas e pede a participação de todos. “Precisamos que estas respostas venham de médicos de várias localidades do nosso país para que a análise de dados possa ser concluída”, finalizou.

Pesquisa uso da iodoterapia no câncer de tireoide