Área CientíficaEm destaque

Hipotireoidismo Diminui Chances de Câncer de Mama

By 9 de abril de 2012 julho 9th, 2020 No Comments

A tireoide é uma glândula que funciona liberando dois hormônios importantes para o corpo: T4 (tiroxina) e T3 (triiodotironina), que atuam no funcionamento do metabolismo. Existem duas irregularidades que podem ocorrer nesse órgão: hipotireoidismo, quando ocorre baixa produção de hormônios; ou hipertireoidismo, quando ocorre um excesso na produção de hormônios.

Cerca de 20% das mulheres após os 50 anos de idade apresentam hipotireoidismo e, segundo a pesquisa, quando sofrem de tumor na mama, apresentam uma forma menos agressiva da doença. Os pesquisadores acreditam que isso acontece devido aos receptores nas células tumorais da mama, que rejeitam os estímulos dos hormônios tireoidianos e do estrogênio, que é outro hormônio relacionado ao câncer da mama.

Dra. Celia Nogueira, membro do Departamento de Tireoide da SBEM explica que é conhecido o papel do estrogênio no crescimento da mama normal e do câncer mamário, assim como o envolvimento do hormônio tireoidiano no desenvolvimento e diferenciação da mama. Com base nessa informação, o grupo de pesquisa do departamento sugere a existência de uma relação entre mulheres na pós-menopausa portadoras de câncer de mama e hipertireoidismo subclínico.

“Os pesquisadores do departamento estabeleceram em células tumorais de câncer de mama que o hormônio tireoidiano em altas concentrações estimula a sua proliferação e induz a expressão de genes que normalmente são induzidos por estrógenos e que são responsáveis pela proliferação do câncer de mama”, explica a médica, que também disse que essas descobertas coincidem com as que foram feitas pelos pesquisadores americanos da Universidade do Texas.

Mamografia e Câncer de Tireoide

Apesar dessas descobertas nas pesquisas para a redução da ocorrência e da mortalidade por câncer de mama, a melhor maneira ainda é se prevenir realizando exames periodicamente, com destaque para a mamografia.  Apesar disso, existe uma preocupação sobre os efeitos que a radiação ionizante, que faz parte do processo da mamografia, possa trazer para o organismo. Discussões na internet sobre o aumento do câncer de tireoide nas pacientes submetidas ao rastreamento mamográfico vem preocupado as mulheres. No entanto, já existem algumas explicações sobre esse assunto na sociedade médica.

O primeiro ponto que deve ser esclarecido é que essa discussão vem acontecendo sem base científica e, além disso, existem vários estudos publicados que mostram que o exame de mamografia não expõe a tireoide a doses consideradas nocivas.

O documento Quality Assurance Programme for Digital Mammography, que foi publicado e traduzido pela Agência Internacional de Energia Atômica em 2011, e fala sobre o uso de protetores em mamografia, diz que há uma exposição insignificante para outros locais sensíveis à radiação que não seja a mama. Além disso, a utilização do vestuário de proteção é mais um fator psicológico e que ele só deve ser fornecido a pedido da paciente, a presença deles na sala de exame pode sugerir que seu uso é uma prática aceitável, o que não é o caso. Inclusive é importante sempre informar que a utilização dos protetores pode inclusive atrapalhar o exame, pois se não for bem colocado na paciente, pode ser a causa de repetição nos casos em que a sua imagem se sobrepõe à imagem da mama.

Dra. Celia Nogueira levanta outro ponto, que diz que o encontro do aumento do câncer de tireoide nas pacientes submetidas ao rastreamento mamográfico seja devido ao melhor rastreamento do câncer de tireoide por aumentar o número de ultrassonografias realizadas. Ela explica que aproximadamente 10% da população adulta têm nódulos tireoidianos, mas, desse número, cerca de 90% são benignos, o que indica que a mortalidade por causa da doença diminuiu.

“De 65 a 80% dos casos são diagnosticados como câncer de tireoide papilar; de 10 a 15% são foliculares; de 5 a 10% são medulares e de 3 a 5% dos diagnosticados como anaplásicos. Levando em consideração os dois tipos de câncer da tireoide com maior incidência, podemos enfatizar que o papilífero incide mais frequentemente na faixa etária dos 30 aos 50 anos e o folicular ocorre em indivíduos com mais de 40 anos, a mesma faixa etária em que as mulheres iniciam a realização de mamografias”, conclui a especialista.