web analytics
Em destaqueEventos Científicos

Hematomas Pós-Cirúrgicos: Incidência e Orientações

By 1 de maio de 2009 julho 8th, 2020 No Comments

Flavia Garcia, Gramado, RS

Mostrando a experiência da Santa Casa da Faculdade de Medicina de São Paulo (FMUSP), o Dr. Antônio José Gonçalves iniciou sua apresentação informando que, no período de 1991 a 2008, foram realizadas 1.441 cirurgias de tireoide. O especialista afirmou, ainda, que 90 a 95% destas tireoidectomias foram feitas por residentes. Neste período, a incidência de hematomas pós-cirúrgicos foi semelhante aos índices encontrados na literatura (que é de 1 a 1,5%).

Nas cirurgias realizadas pela equipe da Santa Casa, apenas pouco mais de 1% dos casos apresentaram os hematomas. Esta complicação cirúrgica, segundo ele, pode aparecer entre 1h e 40h após o início da operação, sendo mais recorrente, em média, 12h após. “É uma complicação que exige a experiência do cirurgião, mas menos de 0,5% dos pacientes chegam a precisar de transfusão de sangue”, afirmou o Dr. Antônio, apresentando um estudo no qual entre 7.200 cirurgias apenas 20 necessitaram do sangue.

Apesar de estudos mostrarem que a drenagem durante a cirurgia não interfere no aparecimento do hematoma, o Dr. Antônio informou que, na Santa Casa, é convenção drenar o paciente durante a intervenção cirúrgica. “O dreno fica por 24h ou até 48h após”, afirmou.

O Tratamento

A re-operação é a opção mais indicada. Porém, deve-se tomar um cuidado especial durante a anestesia, pois “o paciente precisa ser entubado ainda acordado, para facilitar o procedimento”, afirmou o cirurgião.

Mesmo sendo a complicação mais séria e temível pelos cirurgiões, e pacientes, sua incidência é baixa. “Reconhecer o caso difícil é importante, mas é preciso tomar cuidado com os casos mais fáceis, para que não haja uma falta de atenção e, consequentemente, uma complicação severa”, finalizou o especialista.

Um dos debatedores, Dr. Onivaldo Cervantes, afirma que as cirurgias devem ser realizadas por especialistas em cabeça e pescoço, além de serem feitas com cautela e sem a preocupação com o tempo. Pois apenas desta forma ele acredita que há a redução da possibilidade de complicações como os hematomas.

O LATS 2009 reuniu os principais especialistas em tireoide, de 30 de abril a 3 de maio, no Hotel Serrano, em Gramado, Rio Grande do Sul (Brasil). O evento foi presidido pela Dra. Ana Luiza Maia.