web analytics
Para o Público

Câncer Papilífero da Tireoide

By 19 de fevereiro de 2021 No Comments

Desde que a atriz Carla Diaz noticiou que havia sido diagnosticada com câncer de tireoide, o tema ficou em evidência na imprensa, e na internet a busca por mais informações sobre o assunto aumentou.

O tipo de câncer que acometeu a atriz foi o carcinoma papilífero, que é o mais comum. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), ele está entre 50% e 80% dos casos, sendo mais frequente entre as mulheres.

A Dra. Fernanda Vaisman, ex-diretora do Departamento de Tireoide, esclareceu durante uma live pela campanha da Semana Internacional da Tireoide, ano passado, que o câncer de tireoide é um dos menos agressivos e não causa tanto comprometimento à vida dos pacientes. É muito comum entre as pessoas jovens que não têm outras comorbidades.

Diagnóstico

A endocrinologista explicou que a maioria dos pacientes é assintomático e o nódulo tireoidiano pode ser encontrado na palpação do pescoço durante uma consulta de rotina ou pelo próprio paciente, ou realizando uma ultrassonografia.

Nódulos de tireoide são muito frequentes. Em pesquisas utilizando achados de autópsia podem chegar até 57% da amostra estudada. No entanto, esses nódulos são na maioria benignos. Mesmo quando há a confirmação do câncer, o prognóstico não é preocupante, pois a taxa de cura é alta.

Ao detectar um nódulo na tireoide, o médico solicita uma ultrassonografia para analisar as características dele. Dependendo das características e da história clínica do paciente, ele avalia se é necessário realizar uma punção aspirativa por agulha fina (PAAF), que consiste em coletar células do nódulo para identificar se é benigno ou maligno.

Segundo a Dra. Fernanda, a PAAF é um procedimento ambulatorial. Portanto, não é necessário internação, nem o uso de anestesia ou qualquer outro tipo de medicação.

Tratamento

O câncer de tireoide tem um crescimento muito lento e o tratamento vai depender do tipo de câncer. A Dra. Fernanda ressaltou que, após o tratamento, as chances de uma metástase são muito baixas.

Entre as opções mais comuns de tratamento estão a cirurgia, que pode ser a retirada total ou parcial da tireoide, e a terapia com iodo radioativo, que consiste na ingestão de uma pequena quantidade desse iodo visando destruir o tecido tireoidiano não removido pela cirurgia.

Após a cirurgia, o paciente precisa fazer um acompanhamento com o endocrinologista durante alguns anos e fazer reposição hormonal para o resto da vida. Segundo a médica, com uma cirurgia bem feita a probabilidade da pessoa vir a ter novamente o câncer é muito pequena.