O hipotireoidismo congênito é uma condição que impossibilita o organismo de gerar os hormônios tireoidianos, impedindo o crescimento e desenvolvimento normal do indivíduo. É uma condição incomum (cerca de um a cada 4.000 recém-nascidos possuem esse distúrbio), porém é principal causa de deficiência mental passível de prevenção no mundo.

O diagnóstico e tratamento precoces podem evitar as suas consequências, por isso, a realização do Teste do Pezinho é fundamental. Dentre os exames incluídos no teste do pezinho estão dosagens que permitem detectar o hipotireoidismo congênito. Devemos destacar que no Brasil, este exame de triagem é obrigatório.

Em abril de 2021, o Ministério da Saúde atualizou o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) do Hipotireoidismo Congênito, que teve a participação da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). A principal alteração foi a ampliação das dosagens de levotiroxina sódica nas apresentações de 12,5 e 37,5 mcg. A medida amplia o que já preconiza o atual PCDT, com disponibilização na rede pública de comprimidos de 25, 50 e 100 microgramas (mcg) do medicamento.

A disponibilidade de dosagens intermediárias diminui a necessidade de partir comprimidos para complementar as doses, contribuindo para menos erros de administração e desperdício.

O tratamento do hipotireoidismo congênito é simples e consiste na administração de hormônio tireoidiano, com acompanhamento médico. O tratamento deve ser iniciado nas primeiras semanas de vida. O objetivo é manter os níveis de hormônios da tireoide dentro dos valores de normalidade, permitindo o crescimento e desenvolvimento adequados.