Laboratórios de Pesquisa

05/10/2009 UFRJ: Uma Abordagem Multidisciplinar

Por Cintia Salomão Castro

No campus da Cidade Universitária da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a equipe do Laboratório de Fisiologia Endócrina Doris Rosenthal desenvolve, há vários anos, pesquisas pioneiras envolvendo o estudo da glândula tireoide.  Os diversos aspectos estudados vão desde o controle do peso corporal a regulação da captação de iodo, refletindo uma abordagem multidisciplinar adotada desde os anos 1990, conforme explica a chefe do Laboratório, a médica e doutora em Ciências Denise Pires de Carvalho.
    
“No começo, os pesquisadores conduziam principalmente estudos sobre o uso do iodo radioativo e bócios. Hoje, realizamos estudos multidisciplinares, relacionando a tireoide ao controle do peso corporal, ao gasto energético e à ingestão alimentar, por exemplo”.

A equipe conta com especialistas de diversos setores – favorecendo uma ampla abordagem. Além de endocrinologistas, há biomédicos, fisioterapeutas, farmacêuticos, biólogos, nutricionistas e profissionais de educação física.

Histórico

As origens do Laboratório de Fisiologia Endócrina Doris Rosenthal remontam aos anos 1950. Na época, o diretor Prof. Eduardo Pena Franca criou uma unidade clínica de radioisótopos no Instituto de Biofísica, dentro da Faculdade de Medicina da então denominada Universidade do Brasil.

Alguns anos depois, criou-se o laboratório de Medicina Nuclear, sob a responsabilidade de Luiz Carlos Lobo. Nesta fase inicial, o local já funcionava como um dos núcleos pioneiros na implantação de metolodologia de avaliação da função tireoidiana com radioiodo. A existência de outras linhas de pesquisa relacionadas a aspectos fisiológicos e fisiopatológicos da tireoide motivaram a mudança do nome para Laboratório de Fisiologia Endócrina, a partir de 1976.
O pioneirismo científico foi mantido sob a chefia da endocrinologista Doris Rosenthal (1973 – 2002), profissional que deu nome ao laboratório e que, apesar de aposentada, continua oferecendo sua experiência à equipe.

A parceria com o Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, a partir do final da década de 1990, levou o laboratório a atuar no campo dos estudos translacionais. Ou seja, passou-se a estudar moléculas para uma terapia futura para o paciente. Um exemplo disso é a análise da captação de iodo pela glândula, a qual é fundamental não somente para produção dos hormônios como para tratar o paciente que tem câncer ou a doença de Graves.

“Estudamos mecanismos moleculares que aumentem a entrada do iodo na célula. Analisamos desde vias dentro da célula tireoidiana que regulam a captação, até substâncias que estão no meio ambiente que a regulam. Vimos recentemente que algumas isoflavonas (substâncias contidas em plantas que servem de base para medicamentos usados na reposição hormonal feminina) estimulam a captação de iodo, enquanto outras a inibem” – esclarece a Dra. Denise de Carvalho.

Em Andamento

Existem, atualmente, diversos projetos em andamento. Um deles é uma parceria envolvendo pesquisadores do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ, com o objetivo de estudar termogênese, hormônios da tireoide e obesidade.

Outro estudo pioneiro, junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia, é a avaliação de uma população ribeirinha da Amazônia, que apresenta um alto índice de contaminação por mercúrio (devido aos garimpos) e deficiência de ferro (causada pela malária). Serão verificados os efeitos dessas condições sobre o metabolismo da tireoide. Os efeitos do esteroide sexual (um tipo de hormônio) sobre a função tireoidiana também são objetos de estudo da equipe multidisciplinar. 

As várias pesquisas podem ser divididas em três grupos básicos: o que contempla os efeitos de  xenobioticos sobre a função da tireoide; o que estuda o controle do peso corporal pelos hormônios da tireoide; e o que analisa a regulação da função da tireoide pelo iodo.  Os dois modelos experimentais usados são o in vivo (uso de ratos) e o in vitro ou ex vivo (cultura de células).

Equipe do Laboratório da UFRJ

Apoio

O Laboratório de Fisiologia Endócrina Doris Rosenthal conta com o apoio do INCT (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Pesquisa Translacional em Saúde e Ambiente na Região Amazônica-INPeTAm); da FAPERJ (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro); da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior); do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e do PRONEX/FAPERJ (Programa de Apoio a Núcleos de Excelência).

 

imprimaImprima     envieEnvie por Email       Compartilhe: Delicious Delicious  google Google

Tópicos Relacionados

Laboratórios de Pesquisa no Brasil Notícias Notícias Científicas tireoide laboratorio

Eventos científicos

Webmeeting: Disfunções Tireoidianas na Gestação

No mês que marca a Semana Internacional da Tireoide o assunto tratado no próximo Webmeeting será baseado no tema da Campanha deste ano. No dia 28 de maio, às 21h, a Dra. Maria Izabel Chiamolera e o moderador Dr. João Maciel Martins falarão no programa sobre atualização em disfunções tireoidianas na gestação.

Leia Mais

Para Público

Ações Região Norte

Confira as atividades da Semana Internacional da Tireoide 2019 na região Norte.

Leia Mais

Para Público

Ações Região Sul

Confira as atividades da Semana Internacional da Tireoide 2019 na região Sul.

Leia Mais