Notícias

20/09/2019 Hipoparatireoidismo Adquirido

É essencial para a saúde ter níveis adequados de cálcio no sangue e as paratireoides são as glândulas responsáveis por regular esse mineral no corpo. Elas são muito pequenas e ficam atrás da tireoide. Normalmente, cada indivíduo, tem quatro paratireoides.

De acordo com a vice-presidente do Departamento de Tireoide da SBEM, Dra. Patrícia de Fátima Teixeira, a principal causa do hipoparatireoidismo é a pós-cirúrgica, no caso, após a retirada da tireoide (tireoidectomia).

“Durante o procedimento de retirada da tireoide, a paratireoide também pode vir grudada na glândula ou ocorrer um esvaziamento de gânglios, devido à metástase ganglionar de um câncer de tireoide. Neste esvaziamento, a paratireoide pode estar incluída.”

A endocrinologista destacou, também, que na cirurgia pode ocorrer uma isquemia das paratireoides e elas podem, por esse motivo, parar de funcionar. A isquemia é mais comum após cirurgias onde ocorrem maior sangramento no pescoço. Isso porque na cirurgia pode ser necessário interromper o sangramento local e, portanto, faltar sangue para a nutrição das paratireoides. “Elas sofrem uma isquemia e podem morrer. O hipoparatireoidismo pode ser transitório, com a recuperação em poucos meses, ou permanente.”

Dra. Patrícia explica que é possível prevenir essa complicação cirúrgica, que não é tão infrequente. Ela enfatiza que um bom preparo pré-operatório é essencial para evitar o aparecimento da doença, e faz um alerta. “É importante evitar cirurgias desnecessárias. Não é preciso fazer tireoidectomia para todo nódulo de tireoide encontrado.”

Para a médica, o especialista precisa ficar atento, também, à condição do paciente e analisar com cuidado cada situação. “Se você tem uma condição na tireoide que aumenta muito o sangramento, como em alguns casos de hipertireoidismo que precisam ser operados, há possibilidade de utilizar medicamentos no pré-operatório. Eles ajudam a reduzir o sangramento durante a cirurgia.”

São várias as complicações que o hipoparatireoidismo pode trazer ao paciente. A qualidade de vida fica muito prejudicada e o indivíduo precisará fazer uso diário de cálcio e vitamina D, para suprir a redução de cálcio sérico, pelo resto da vida.

De acordo com a Dra. Patrícia, o paciente pode ter muitas câimbras, dormências, espasmos musculares (tetania) e, em casos mais graves, necessitar de atendimento de emergência. A baixa concentração de cálcio no sangue pode, inclusive, levar a uma arritmia cardíaca e o paciente ao óbito. Portanto, essa é uma condição que se não for tratada e acompanhada é muito grave e letal. “Além de reduzir o nível de cálcio, a doença também faz com que o aumento de fósforo no organismo seja significativo. Esse acúmulo pode trazer complicações graves para o paciente se não for muito bem tratado”, finalizou a médica.

imprimaImprima     envieEnvie por Email       Compartilhe: Delicious Delicious  google Google

Tópicos Relacionados

Notícias hipoparatireoidismo tireoidectomia nódulos na tireoide

Notícias

Telemedicina e Covid-19: Parecer SBEM Nacional

A SBEM Nacional divulgou um parecer sobre a decisão do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre a utilização da telemedicina durante a pandemia do novo coronavírus. O documento foi elaborado pela Comissão de Ética e Defesa Profissional (CEDP) da Sociedade, que tem como corregedora a Dra. Maite Chimeno.

Leia Mais

Notícias Científicas

Imunoterápicos e Disfunções Tireoidianas

Recentemente foi divulgado um artigo sobre um estudo relacionando o uso de inibidores de checkpoint imunológicos no tratamento do câncer com as disfunções tireoidianas. Os dados foram apresentados durante uma coletiva de imprensa online, no final de março, que estava agendada para acontecer na reunião anual da Endocrine Society.

Leia Mais

Endo Online 2020

Devido à pandemia de Covid-19 muitos eventos médicos tiveram seus formatos reformulados como é o caso do Endo 2020, a principal atividade da Endocrine Society. A Sociedade optou por realizar a edição desde ano de forma online e gratuita.

Leia Mais