SBEM
Departamento de Tireóide

Departamento de Tireoide
da Sociedade Brasileira
de Endocrinologia e Metabologia

Destaques

Notícias

Dia 25 de Maio é o Dia Internacional da Tireoide

Presidente do Departamento de Tireoide, Dra. Carmem Cabanelas, envia mensagem pelo Dia Internacional da Tireoide. O Departamento realizou diversas ações este ano, incluindo as redes sociais, como Facebook e Youtube.

Leia Mais

Para Público

Disciplina Controla Hipotireoidismo

Melq Ferreira é preparador físico de atletas de surf e personal trainer, na cidade de Fortaleza (CE). Ele tem 41 anos e descobriu um bócio nodular na tireoide, aos 20. Na época, submeteu-se à cirurgia para retirada do bócio e, desde então, segue o tratamento para o hipotireoidismo.

Leia Mais

Para Público

Vencendo o Câncer na Tireoide

Com apenas 12 anos, a nadadora do juvenil do Flamengo, Giovanna Pannain, foi vitíma de um Câncer na Tireoide. Através de uma cirurgia, tratamentos e força de vonta a jovem superou a fase e é exemplo de esforço e persitência. Confira a matéria. 

Leia Mais

Notícias

Dia Internacional da Tireoide

O dia 25 de maio é o “Dia Internacional da Tireoide”. Desde 2009 são organizadas campanhas informativas, por diferentes sociedades médicas e não médicas, com o objetivo de orientar pacientes e familiares sobre as doenças tireoidianas. A campanha nacional deste ano, escolhida pelo Departamento de Tireoide da SBEM, tem como tema Tireoide e Esportes. Folhetos, vídeos e mensagens sobre o tema estão sendo publicados nas redes sociais.

Leia Mais

Eventos

<      >

Notícias

09/07/2008 Fórmulas para Emagrecer e Efeitos Sobre a Tireoide

As fórmulas para emagrecer são vistas como soluções rápidas para resolver o problema do excesso de peso. Além do risco de “efeito sanfona” (engordar e emagrecer em um curto espaço de tempo), esse tipo de medicamento pode causar danos à glândula tireoide e causar até mesmo a morte.

A Dra. Laura Ward, professora da Unicamp, explica que as fórmulas são diferentes dos medicamentos para emagrecer. Elas são coquetéis que contêm várias substâncias, sem qualquer cuidado com a interação entre elas e com seus efeitos colaterais. Dra. Laura esclarece que, tipicamente, as fórmulas contêm cinco ou mais substâncias, geralmente:

 

  • Derivados de anfetamina: Os principais são femproporex, dietilpropiona ou mazindol, cuja função é inibir o apetite. Têm efeito rápido, muitas vezes potente, mas que podem causar dependência. São responsáveis por uma série de efeitos colaterais, incluindo insônia e irritabilidade, boca seca, alterações de humor, mais raramente taquicardia e hipertensão arterial. Esses medicamentos podem causar prisão de ventre.
  • Diuréticos: Atuam eliminando líquidos. Isso tem um efeito temporário e sem qualquer ação sobre massa magra ou massa gorda, a não ser levar a uma perda de peso à custa de depleção, que é um estado de debilitação, causado pela perda excessiva de fluidos do corpo. No caso de idosos ou de pessoas com alguma doença crônica, o uso indevido de diuréticos pode levar à perda de substâncias importantes para o organismo, como o potássio. Essa perda pode causar câimbras e até mesmo arritmias cardíacas.
  • Laxantes: São colocados nas fórmulas para diminuir a prisão de ventre, causada pelos inibidores de apetite presentes na fórmula. Podem piorar o funcionamento intestinal, descamar a mucosa dos intestinos e causar distúrbios hidroeletrolíticos. Os laxantes só vão produzir efeito imediato na perda de peso se for causada diarréia.
  • Tranqüilizantes: Incluídos para combater os efeitos dos derivados de anfetamina e para diminuir a ansiedade freqüente no obeso. Os benzodiazepínicos (diazepam, bromazepam, clobazam, clorazepam, entre outros) são os mais usados, por causa de sua potência.
  • Antidepressivo: Adicionados geralmente com a mesma função dos tranqüilizantes. Apenas a fluoxetina tem efeito importante na diminuição do apetite, mas só terá efeito após vários dias ou semanas de uso.
  • Produtos vegetais: Os mais comuns são a cáscara sagrada e a cavalinha. Não têm qualquer fundamento científico e são colocados nas fórmulas para dar volume à prescrição.
  • Fenilpropanolamina, efedrina, aminofilina,cafeína: São substancias consideradas termogênicas, isto é, são produtoras de calor e aceleram o metabolismo. No entanto, têm importantes efeitos colaterais sobre o sistema cardiovascular, incluindo taquicardia, hipertensão arterial. Também são estimulantes do sistema nervoso central, levando a alteração de humor , diminuição de reflexos.
  • Hormônios tireoidianos: Em geral, são colocados em altas doses, pois causam importante perda de peso. Entretanto, esse emagrecimento ocorre principalmente por causa da perda de músculos, e não da gordura. Além disso, os hormônios podem desencadear doenças crônicas da tireóide, além de produzirem importantes efeitos sobre o coração, como taquicardia e arritmias severas, hipertensão arterial, aumento do trânsito intestinal, diarréia, alteração do fluxo menstrual, sudorese importante, nervosismo, alterações de humor, entre outros.

Dra. Laura ressalta que o uso dessas fórmulas é proibido, pois elas podem causar sérios efeitos danosos ao paciente, podendo levar até mesmo à morte. “O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou, em 1997, a Resolução CFM numero 1477/97, que proibiu aos médicos a prescrição simultânea de drogas moderadoras de apetite (tipo anfetaminas), com um ou mais dos seguintes fármacos: benzodiazepínicos, diuréticos, hormônios da tireóide, extratos hormonais e laxantes, com finalidade de tratamento da obesidade ou emagrecimento”, explica a médica.

Portanto, se o paciente procurar um médico e forem receitadas fórmulas, deve-se denunciar a prática à delegacia do Conselho Regional de Medicina da cidade. No site do Conselho Federal de Medicina há um formulário e informações para ajudar a fazer a denúncia.

imprimaImprima     envieEnvie por Email       Compartilhe: Delicious Delicious  google Google

Tópicos Relacionados

Notícias emagrecer fórmulas

Opiniões dos Leitores

Topo Volta  © 2010 Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - SBEM