Para Público

23/11/2017 Diabetes e Disfunções Tireoidianas

14 de novembro foi o Dia Mundial do Diabetes. Ao longo do mês diversas ações acontecem no mundo para mobilizar as pessoas sobre a importância da prevenção, diagnóstico precoce e tratamento da doença. Além dessas questões, especialistas também alertam para a relação entre as disfunções tireoidianas e o diabetes.

Os endocrinologistas explicam que é importante se ter atenção com a glândula da tireoide em diabéticos, pois uma pessoa pode apresentar as duas patologias. Pacientes com diabetes tipo 1 podem ser diagnosticados com hipotireoidismo causado pela Tireoidite de Hashimoto ou hipertireoidismo causado pela Doença de Graves. “Tanto o diabetes quanto as doenças da tireoide são autoimunes, e doenças deste tipo se associam. O diabético tipo 1 tem até 3 vezes mais chance de apresentar problemas tireoidianos. A probabilidade dos do tipo 2 também é grande, mas não sabemos o porquê. Talvez a obesidade ou o processo inflamatório a ela relacionada tenha alguma influência. É importante também ficar atento a associação entre diabetes e doenças da tireoide durante a gestação, pois traz sérias complicações ao feto”, esclareceu Dra. Laura Ward, diretora do Departamento de Tireoide da SBEM.

A glândula da tireoide é responsável por regular o metabolismo. Ela ajuda tanto no metabolismo da glicose quanto no dos lipídios. O indivíduo que apresenta algum problema na tireoide pode ter uma desregulação no controle glicêmico, aumentando o risco de hiper e hipoglicemia. Além disso, de acordo com a Dra. Laura, podem apresentar também colesterol elevado pelo hipotireoidismo e risco cardiovascular. Por isso, é importante o diagnóstico precoce de disfunção tireoidiana em pacientes diabéticos.

Os médicos esclarecem que o diagnóstico é simples. Basta dosar o TSH, que deve ser feito rotineiramente nos pacientes em tratamento de diabetes. Nos diabéticos tipo 1 a dosagem deve ser realizada a cada ano e nos do tipo 2 a cada cinco anos. “O controle da disfunção tireoidiana é essencial. Se for hipotireoidismo, deve ser feita reposição de levotiroxina. Se for hipertireoidismo, o indicado é o uso de drogas antitireoidianas ou radioiodoterapia. Em alguns casos, é necessário cirurgia.”

 

imprimaImprima     envieEnvie por Email       Compartilhe: Delicious Delicious  google Google

Tópicos Relacionados

Notícias disfunções na tireoide e diabetes dia mundial do diabetes

Notícias

Ingestão de Iodo e a Tireoide

Dando sequência a série “Conversando com o Especialista”, o Departamento de Tireoide da SBEM realizou na última quinta-feira, 30 de julho, uma live no Instagram sobre iodo. O convidado foi o Dr. Helton Estrela Ramos que esclareceu sobre a falta e o excesso do mineral no organismo e os riscos para o funcionamento da tireoide.

Leia Mais

Notícias

Live: Tireoide e Iodo

A falta e o excesso de ingestão de iodo: quais os risco para a tireoide será o tema da live desta quinta-feira, 30 de julho, do Departamento de Tireoide. O bate-papo será às 18h, com o Dr. Helton Estrela Ramos, no Instagram do Departamento.

Leia Mais

Eventos científicos

Webinar Core Meeting: Carcinoma Diferenciado da Tireoide

A SBEM Nacional vem apoiando diversos eventos online na área da Endocrinologia e Metabologia. A próxima atividade acontece no dia 15 de julho, às 19h, e aborda questões relacionadas ao Carcinoma Diferenciado da Tireoide (CDT). A Dra. Fernanda Vaisman, diretora do Departamento de Tireoide, será uma das palestrantes.

Leia Mais